Junte-se a nossa família!

Assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos em primeira mão!

© 2020 Entre a Pele - by Amvï Cosméticos Naturais

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram

Sabonetes 100% naturais não são o melhor para a sua pele!


Imagem: shutterstock

Você também acha que tudo que é 100% natural é melhor e mais saudável para sua pele? Então é muito importante que você leia nosso artigo, porque não é bem assim que as coisas funcionam!


Nesse forte movimento de naturalização de todas as coisas, nos esquecemos de levar em consideração muitos outros fatores que podem não ser tão saudáveis assim e um dos exemplos disso é o uso do clássico sabão ou sabonete natural.

Este produto, por ser um item básico de limpeza e por ter um custo mais acessível, dentre a gama de cosméticos naturais, tem sido amplamente produzido com a promessa de solucionar todos os nossos problemas de pele e de sustentabilidade, mas será que esse pequeno item de beleza é capaz mesmo de resolver essas questões?


Vamos falar mais sobre isso adiante, começando pela ação dele junto à nossa pele. Fique com a gente!


O QUE É, OU, DO QUE CONSISTE UM SABONETE/SABÃO


Sabão e sabonete são exatamente a mesma coisa e são compostos, basicamente, pelos mesmos ingredientes. Formalizou-se que sabão tem um proposta mais rústica, em pedaços maiores, com fórmula mais simples sendo, portanto, direcionado mais para o uso como saneante, em limpeza doméstica ou de qualquer outro ambiente. Por sua vez, o sabonete, ficou classificado como um sabão fino, com estética mais bonita, perfumação mais sofisticada e com a adição de ingredientes com funções de cuidados com a pele.


De acordo com o dicionário Priberam, da língua portuguesa, e com os registros químicos de fabricação através da história, sabão/sabonete é “um produto resultante da transformação de uma substância gordurosa por um álcali que serve para branquear roupa, para lavar e desengordurar”.


Essas substâncias gordurosas usadas para reagir com um álcali, nada mais são do que sebo animal, manteigas ou óleos vegetais, e o tal álcali, nada mais é do que soda (hidróxido de sódio) - o componente alcalino mais utilizado no fabrico desses produtos - ou algum outro composto de características similares à da soda, como o hidróxido de cálcio ou potássio.

Os produtos da reação química desses dois compostos (gordura + soda) são a glicerina, um poderoso agente umectante e hidratante, e uma outra classe de substâncias conhecida como surfactante ou tensoativo, o sabão de fato, o ingrediente que vai realmente fazer a limpeza e remover a sujeira do corpo ou de qualquer outra superfície.


Nós já explicamos mais detalhadamente o mecanismo de ação dos surfactantes (sabões ou agentes detergentes) em nosso artigo que aborda como limpar a pele corretamente. Se vc não leu, clique aqui, pois é muito importante que você entenda esse processo, vai te ajudar a ter uma rotina de cuidados muito mais efetiva e, consequentemente, alcançar uma pele bem mais bonita e saudável.


QUAL É O PROBLEMA DO SABÃO PARA A MINHA PELE?

Photo by Kristina Nor from Pexels

A razão de um sabonete em barra, seja ele natural ou não, não ser muito bom para a nossa pele é justamente o fato de, na quase totalidade das vezes, ser utilizada uma substância altamente alcalina para a sua fabricação. Em geral, os álcalis utilizados para a fabricação dos sabonetes possuem pH máximo de 14 (em uma escala que varia de 0 a 14). Essas substâncias puras são altamente corrosivas, inclusive são as mesmas utilizadas naquele produto tão famoso para desentupir pia, tamanha é sua agressividade!


Mas porquê utilizar um ingrediente tão perigoso como esse para fazer sabonete?

Porque os sabões derivados desses compostos alcalinos são mais eficientes na remoção da gordura e produção de espuma, além de promover um produto com boa dureza, resistência, formato em barra mais prático e possuindo, ainda, baixo custo de fabricação, atributos esses, altamente desejados pelos consumidores.


Um sabão/sabonete resultante desse processo clássico e ancestral da saboaria artesanal natural ou industrial, mesmo passando por longos processos de cura, para garantir que toda a soda seja completamente reagida para não agredir nossa pele, ainda possui pH em torno de 10 a 11, o que é considerado muito alto para os padrões da pele humana, que gira em torno de 4,7 a 5,5.


Com isso, quando utilizamos um sabonete com essas características para lavar a nossa pele, causamos um forte desequilíbrio das funções naturais orgânicas cutâneas, além de prejudicar muito a flora bacteriana natural que protege esse órgão.


Com o desequilíbrio da flora epidérmica, muitos microrganismos bons e de defesa do nosso corpo são eliminados, deixando espaço para que os patogênicos possam se proliferar, aumentando muito os riscos de contaminações e infecções. Além disso, a ação de limpeza do sabão alcalino é tão forte que remove até mesmo nosso manto ácido, tão rico em lipídios e fatores naturais de hidratação, os principais responsáveis pela saúde, equilíbrio e maciez da nossa pele.


Dessa maneira, a pele se torna extremamente ressecada, favorecendo o aparecimento de rugas, sinais de envelhecimento e microfissuras que facilitam a entrada dos microrganismos prejudiciais - que já estão favorecidos, uma vez que os benéficos foram removidos - além de, sem proteção, estar mais vulnerável ao surgimento de alergias e irritações.

Dermatologistas, em geral, por conhecerem esses riscos, não costumam recomendar o uso de sabonetes comuns em barra para a limpeza da pele, ou caso não seja possível fugir a essa opção, pedem para reduzir a frequência de uso drasticamente, muitos, inclusive, recomendam o banho sem sabonete.


EXISTE ALGUM BENEFÍCIO NO USO DESSES SABONETES?


Uma das vantagens principais de um sabonete natural é a fato de a glicerina não ser removida de sua composição, o que normalmente não acontece com os sabonetes industriais. Além disso, também é costume a adição de óleos e manteigas extras para efeito sobreengordurante. O alto teor de glicerina e de óleos livres no sabonete são capazes de reduzir sua agressividade à pele, evitando o ressecamento extremo e tornando a limpeza um pouco mais suave. Contudo, isso ainda não é o suficiente para se ter uma pele realmente mais saudável e bonita, já que tanto a glicerina quanto os óleos também são levados embora junto com a sujeira e água do enxágue, pois são sabões com poder de limpeza muito potente. Ainda assim, certamente são opções melhores do que a grande maioria dos sabonetes industrializados.


E QUANTO AOS IMPACTOS AMBIENTAIS?


Outra vantagem, mas nesse caso, em relação aos sabonetes naturais de origem vegetal é a questão da sustentabilidade e da crueldade animal. Sabonetes compostos por ingredientes derivados de plantas, podem utilizar recurso de fontes renováveis, causando impacto ambiental consideravelmente menor em relação ao uso de compostos de origem animal, que possuem uma cadeia produtiva altamente poluente e devastadora aos ecossistemas florestais e aquáticos. Ainda assim, isso não é uma regra, pois a extração vegetal exploratória pode ser tão prejudicial quanto a utilização de recursos animais ou sintéticos. Tomemos como exemplo o caso do óleo de palma, exaustivamente utilizado em todas as áreas de indústria, inclusive a cosmética e de sabões, devido ao seu baixo custo e versatilidade. A extração de modo indevido da palma vem causando um profundo impacto ambiental, especialmente nas florestas da indonésia, devastando matas virgens e causando a morte em massa de grandes animais como o orangotango e o tigre, impactando, assim, todo o ecossistema. Atualmente já existem fabricantes sérios que extraem o óleo de palma de maneira sustentável e com respeito ao meio ambiente, contudo os custos são mais elevados, então fique de olho na filosofia das marcas que você gosta.


Os prejuízos, porém, não ficam apenas no desmatamento, a industrialização e processamento de qualquer recurso natural, se não realizada com cuidado, também pode gerar resíduos contaminados, além de um produto rico em impurezas e de baixa qualidade.


Portanto, veja, que a palavra natural não é sempre sinônimo de saúde! Até porque, um sabonete desses, também não pode ser considerado 100% natural, já que necessita de um forte reagente químico sintético para que possa ser fabricado.


Recursos naturais vegetais são maravilhosos, mas tudo deve ser pensado com inteligência.


QUAIS SÃO OS REQUISITOS DESEJÁVEIS EM UM SABONETE?


Bem, sabemos que é praticamente impossível não utilizar algum produto para limpeza de nossa pele, especialmente aqui no Brasil, um país quente, úmido e que possui uma forte tradição em banhos. Poucas sensações são mais revigorantes do que a de um banho relaxante, perfumado e recém tomado após um dia cansativo.


Nesse caso, o importante é selecionar produtos que promovam limpeza bastante suave, com pH balanceado, agentes de limpeza mais delicados para que possam preservar a hidratação e a flora bacteriana naturais da pele, principais responsáveis pela proteção e manutenção da saúde e maciez cutâneas.

Foi com essas informações em mente, que nós desenvolvemos nosso exclusivo sabonete natural em barra. Porque nós queríamos preservar o formato em barra, já que sabemos o quanto nossos clientes gostam a acham mais prático, nós também lançamos mão do uso da saboaria natural clássica, mas para isso, escolhemos nossas matérias-primas vegetais com cuidado e respeito à natureza. Além disso, mesclamos a essa base, delicados óleos naturais e agentes de limpeza inovadores, derivados do coco, altamente suaves e com pH balanceado para preservar a hidratação e a flora bacteriana naturais da pele, removendo apenas as impurezas acumuladas ao longo do dia, sem ressecar.


Conheça nosso sabonete clicando aqui!

65 visualizações