Microbioma da pele, uma nova e revolucionária dimensão no skincare


Photo by Francesca Zama

Seu reflexo no espelho mostra apenas a pele nua, mas o que seus olhos não enxergam são os bichinhos microscópicos que fazem dela sua moradia. E são muitos, trilhões deles! Sim, este é o número estimado: trilhões de bactérias, fungos, vírus e até ácaros vivem felizes e em perfeita harmonia com sua pele. São os microrganismos do bem! E não é que a presença deles seja importante, ela é vital. Sem eles nossa saúde e beleza vão embora.


O QUE É MICROBIOMA?


Microbioma, ou microbiota, é o ambiente que envolve a relação harmoniosa desses microrganismos do bem com as células de nossa pele.

Quando esse equilíbrio é afetado, a pele passa a ser colonizada por bactérias perigosas, também conhecidas como patogênicas, e é aí que os problemas como acne, sinais precoces de envelhecimento, sensibilidades, dermatites e caspa, por exemplo, começam a surgir.


A descoberta e o estudo da relação desses bichinhos com nosso corpo têm revolucionado a forma de pensar da medicina e da nutrição, afinal sobre a flora intestinal e o quanto as bebidas fermentadas são saudáveis, você já deve ter ouvido falar bastante, haja visto a fama, das capsulas de probióticos, dos leites com lactobacilos e das kombuchas. E como não poderia deixar de ser, esse estudo se estendeu aos cuidados com a pele, já que nosso maior órgão desempenha a fundamental função de proteção, além de impactar diretamente o aspecto psicológico relacionado a aparência e, consequentemente, nosso relacionamento interpessoal. Como você já sabe, sentir-se bem com a aparência faz muito bem para a saúde.


Cada parte do corpo possui seu microbioma específico, cada um com variabilidades de microrganismos e características populacionais diferentes. Fatores como temperatura, umidade e ventilação influenciam muito tal variação, sendo assim, a microbiota de sua axila, será bem diferente da de seu rosto ou do seu couro cabeludo, por exemplo.


O que já sabemos é que quanto mais diversa e rica for essa população de microrganismos, mais saudável será sua pele. Por isso é tão importante preservá-los.


QUAL É A FUNÇÃO DO MICROBIOMA CUTÂNEO?


Auxiliar a defesa, regular processos metabólicos e promover um ambiente saudável para o funcionamento orgânico adequado da pele, estas são as principais funções do microbioma cutâneo.


As bactérias do bem são capazes, por exemplo, de promover uma resposta imune específica das células de defesa presentes em nossa pele, inibindo a proliferação de muitos microrganismos causadores de doenças. Além disso, os bons microrganismos também estimulam a atividade de regeneração de feridas e lesões, através da modulação da resposta inflamatória, auxiliando o processo natural de reparação e cicatrização dos tecidos.


Já se sabe também, que a colonização da pele pelas bactérias do bem, é fundamental durante o período neonatal, a fim de fortalecer a tolerância imune do bebê, uma vez que a presença desse seres microscópicos é capaz de estimular uma acumulação massiva das células de defesa, mantendo a saúde do bebê muito mais protegida.


Um outro exemplo da ação benéfica do microbioma cutâneo, é a atividade da Propionebacterium acnes. Esta bactéria já é naturalmente parte dos microrganismos do bem de nossa pele, porém quando em desequilíbrio e com crescimento exagerado se torna uma das principais causadoras da acne. Contudo, quando em harmonia dentro desse microambiente cutâneo, a Propionebacterium é também responsável pela modulação da atividade inflamatória das células do estrato córneo, os queratinócitos, responsáveis por manter uma boa função barreira da pele. Portanto, veja que a eliminação completa das bactérias causadoras da acne, através de ativos bactericidas fortes, não é a melhor maneira de equilibrar e curar a pele, uma vez que este órgão ficará ainda mais inflamado, sensível e vulnerável à colonização de outros microrganismos patogênicos, o que ocorre com frequência por bactérias do gênero Staphylococcus, por exemplo.

Uma pele mais fragilizada por tratamentos fortes é facilmente observável em pacientes que fazem uso oral de tretinoína e antibióticos, que apresentam, como efeito colateral, uma pele extremamente ressecada e com descamações severas, chegando até mesmo a formar fissuras e pequenos sangramentos, especialmente na pele dos lábios.



UM NOVO OLHAR SOBRE OS CUIDADOS COM A PELE


Atualmente a medicina vem entendendo que ao ocorrer uma proliferação de microrganismos na pele, ou em outros órgãos, na realidade, antes ocorreu uma mudança em seu funcionamento orgânico, alterando as condições do meio em que eles vivem, como valores de pH e abundância ou escassez de alimentos, favorecendo assim, o crescimento de determinadas espécies que possuem maior afinidade com as novas condições, levando ao surgimento de doenças e problemas de pele como a rosácea, psoríase, acne e dermatite atópica, por exemplo. Com isso, faz-se necessário sempre investigar a origem causadora do desequilíbrio, que podem ser outras doenças ou problemas de fundo emocional, como o stress, ansiedade, depressão, etc, abordagem que já adotamos em nosso novo sérum facial de controle da oleosidade.



Com as novas descobertas, hoje sabemos que tudo o que toca a pele, está antes tocando o microbioma cutâneo, portanto, todos os novos desenvolvimentos devem sempre ser pensados para preservar esse equilíbrio harmonioso. Além disso, esta nova forma de pensar também diminui bastante os efeitos colaterais causados pelos tratamentos dermatológicos convencionais, como irritações e inflamações, que podem acelerar o processo de envelhecimento. Peles sensíveis e maduras são especialmente beneficiadas por cosméticos que possuem este tipo de abordagem.


COMO PRESERVAR O MICROBIOMA


Apesar do número imenso e da grande diversidade de microrganismos que possuímos na pele, esse equilíbrio é bem delicado e facilmente afetado pelos nossos hábitos e estilo de vida.

Com o passar dos anos, o microbioma de nossa pele vai ficando cada vez mais pobre, o que vai acelerando ainda mais o processo de envelhecimento e deixando a pele cada vez mais desprotegida. Observe que uma pele envelhecida, no geral, apresenta bem mais problemas relacionados à infecções.


Além disso, uma alimentação pobre e a simples ação de lavar a pele, já são suficientes para desbalancear toda a flora cutânea, por exemplo. No caso da limpeza da pele, como fazemos isso muitas vezes ao dia, especialmente das mãos, já dá pra entender a importância de uma higienização adequada, com agentes de limpeza suaves e com pH equilibrado, como é o caso das fórmulas dos sabonetes Amvï.


Sabões alcalinos em barra possuem um pH extremamente elevado, em torno de 10 a 11, muito diferente do pH médio da pele, que é levemente ácido e fica em torno de 4,5 a 5,5, valores ótimos para a proliferação das bactérias do bem. Além disso, esses sabões também promovem uma limpeza excessivamente agressiva, que remove tanto o microbioma saudável quanto o manto de hidratação natural, deixando a pele completamente desprotegida e ressecada, não sendo adequados nem mesmo para as peles oleosas, pois causam efeito rebote, agravando ainda mais a oleosidade.


Por isso sabonetes suaves são opções mais adequadas, pois além de serem eficazes na remoção de microrganismos patogênicos, ao mesmo tempo, não causam um desequilíbrio tão acentuado da flora cutânea e nem removem a preciosa a hidratação natural, mantendo a pele muito mais bonita e saudável.


São por essas razões que insistimos tanto em dizer que a limpeza é um dos passos mais importantes da rotina de skin care. Fazendo do modo e com os produtos corretos, conseguimos até mesmo reduzir a quantidade de produtos e etapas que precisamos ter para compensar os desequilíbrios ocasionados pela higienização inadequada, e como é o primeiro passo, então todas etapas seguintes poderão ter uma eficácia ainda maior.


Além da limpeza, também é muito importante que se busque produtos com ativos pré e probióticos, com pH balanceado e ativos naturais suaves para a pele. Antibióticos, ácidos, óleos essenciais e extratos vegetais muito fortes e em elevadas concentrações, além de combaterem os microrganismos perigosos também matam os bons, que defendem a nossa pele, portanto, deixe-os para ações mais pontuais e bem ocasionais, de preferência com o acompanhamento de um dermatologista.


Preservar o microbioma cutâneo é preservar a beleza, saúde e jovialidade de sua pele. Renove o seu jeito de pensar!



REFERÊNCIAS:

https://www.nature.com/articles/s41422-020-0332-7

https://www.nature.com/articles/nrmicro.2017.157

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6075667/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6534434/


165 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo